ACIARA ouviu reivindicações das empresas do ramo de oficinas e autopeças


12 de abril de 2018
ACIARA ouviu reivindicações das empresas do ramo de oficinas e autopeças

Durante reunião com o grupo MAIS ACIARA, os gestores foram também apresentados aos serviços da entidade e convidados a se associarem

Coordenado pelo presidente Dearley Kuhn, o Movimento de Apoio, Inovação e Serviços – MAIS ACIARA reuniu-se com empresários do segmento de oficinas mecânicas e autopeças para apresentar os serviços da entidade para associados e ouvir as reivindicações da classe. O encontro aconteceu neste dia 12, no auditório da ACIARA.

Após enumerar os benefícios concedidos pela ACIARA as empresas associadas, como os serviços do SPC Brasil, Corte de Conciliação e Arbitragem, Certificação Digital, Assessoria Jurídica e convênios, os empresários falaram das dificuldades enfrentadas na lida diária com as exigências dos poderes públicos.

Mais força para negociações

Cristino Fantini, empresário do ramo e associado da ACIARA, relatou que as adequações levam tempo e geram alguns transtornos para a dinâmica das empresas, mas não há compreensão por parte da fiscalização.

“Hoje temos algumas situações com as licenças ambientais. Há uma nova exigência no Código de Postura do Município, mas estamos precisando nos adequar de uma maneira muito rápida e por isso estamos tendo problemas. É preciso um tempo hábil para fazer as implementações”, disse Cristiano.

O segmento considera fundamental o engajamento da associação. “A ACIARA vem somar nas nossas reivindicações, é mais uma força. Já temos o nosso sindicato, que ajuda bastante, e com a parceria da ACIARA, nós só temos a ganhar”.

Aproximação com o poder público

“O nosso papel é justamente esse, possibilitar o contato das empresas com os poderes públicos a fim de esclarecer, orientar e até mesmo negociar situações. É preciso haver boa vontade das duas partes. A entrada de novas empresas associadas fortalece ainda mais nossa representatividade”, afirmou o presidente da ACIARA, Dearley Kuhn.

A aproximação com os governos é mais do que necessária, na visão do empresário Celiomar de Sousa Mendes, porque, em muitos casos, podem haver exageros.

“Nós estamos sofrendo alguns desmandos do poder público. A impressão que temos é que somos tratados como bandidos. Os fiscais chegam e não querem saber do contexto, se o empresário tem condições ou não, não tem diálogo. Ou faz, ou é multado. O nosso anseio é que a ACIARA possa abraçar essa causa e que venha abrir os olhos do poder público que quem leva o município para frente é o comércio”, lembrou Celiomar.